O TROCA-TROCA DE GESTÃO

Você logo entenderá esse estranho título, que apesar de estranho, é comum no mundo das organizações.

Esse é um daqueles casos onde falta algo. Pode ser que falte política, ou uma boa política, pode ser que faltem definições, caminhos, orientações entre outros, no sentido de ter um norteador para que o time tenha sucesso.

Bem, em muitas organizações há um turnover exagerado comparando aos índices aceitáveis que são praticados na área de RH. Em algumas organizações e até mesmo quem desconheça o termo turnover sabe que ali as pessoas não param em determinados cargos, ou há um entra e sai muito frequente e isso é perceptível por qualquer pessoa.

No período que contempla o “entra e sai”, acontecem muitas coisas interessantes no quesito gestão de times ou equipes, principalmente se fatores como empresa nova, ou em fase de criação da sua identidade estiverem presentes.

Talvez a grande parcela de culpa seja da própria empresa ou do momento em que ela está passando, mas o fator pessoal contribui muito para o que vou expor.

Obviamente que todos os assuntos que compartilho com os leitores por este canal são baseados em algum fato, seja vivido por mim enquanto consultor e coach, seja por contribuições de colegas.

Ocorre, por exemplo, quando alguém assume uma posição de gestão na organização e aí inicia-se todo um novo período de adaptação e ajustes por parte do time, e que pode levar muito tempo.

Acredito que para qualquer pessoa é um momento de desconforto, pois há um processo de conhecimento entre novo gestor e a equipe, e muitas coisas acontecessem nesse período, inclusive demissões.

Mas, chamo a atenção para um comportamento, ou seja, já não bastasse todo sofrimento enfrentado na gestão anterior, o novo gestor usa de seus valores para moldar o time. Entende a gravidade disso?

Espera-se deste novo gestor, pelo menos transparência. Não seria interessante? Refiro-me a questões relacionadas a empresa e ao time.

Você até poderia me perguntar qual a gravidade, por isso vou explicar melhor.

Quando me refiro a valores, há um complexo caminho pela frente, pois temos valores diferentes uns dos outros, embora alguns se assemelhem. Mas imagine se família não é um valor para o gestor, e você tem isso como valor fortíssimo em sua vida.

Imagine se seu gestor tem a religião como um de seus principais valores e tenta incutir isso no seu time.

Entre outras situações que possam surgir, o que o gestor precisa saber e fazer, é alinhar seu time com os valores da organização. Quem paga seu salário é a organização.

Esse gestor não tem o direito de forçar uma situação ou criar uma, levando em consideração aquilo que simplesmente ela acha certo ou errado, baseando-se em seus valores.

Obvio que ele precisa de um time que de resultados, mas os valores de todo time precisam ser respeitados se ele deseja de fato ter sucesso, caso contrário logo terá outro em seu lugar ou um time desfeito.

Há pessoas que mudam toda a vida de seu time fazendo os ajustes que entende que dará resultado, fazendo experimentos, porque acha que desta forma terá sucesso, e logo é demitido. E logo vem outro e muda tudo novamente, criando-se um círculo vicioso e quem sofre com isso são as pessoas desse time.


O gestor precisa respeitar o que as pessoas têm pós empresa, não tem o direito de mudar a vida das pessoas em benefício a sua carreira, muito menos fazer gestão através dos seus valores.