Arquivo do blog

A ORGANIZAÇÃO E A IDENTIDADE SUBJETIVA

A relação entre funcionário e empresa é muito interessante e cheia de mistérios. Muitas pessoas passam a vida toda numa mesma empresa e nem se dão conta disso. Dedicam décadas a um mesmo trabalho, a um mesmo time, a um mesmo ambiente de trabalho.

Há muitos relatos interessantes de funcionários que amam a empresa onde trabalham, como se não existisse outra. São inteiramente gratos por poderem trabalhar naquela empresa, como se fosse um favor prestado em mantê-lo no quadro.

Outros ainda iniciam na empresa e com o passar dos anos o filho também é contratado pela mesma empresa, depois a esposa ou um irmão. Numa empresa com conceito de familiar este tipo de situação e bem comum.

Pensando nos dias atuais, esta característica está mais presente nos chamados baby boomers, reduzindo um pouco ao chegar na geração X e menos ainda na geração Y. Os baby boomers são de uma época onde o compromisso era honrado através do “fio de bigode”. Valia mais a palavra do que um pedaço de papel com uma assinatura. Há quem sinta muita saudade deste tempo.

As gerações X e Y, subsequentes aos baby boomers possuem características diferentes. Não há que se falar em certo ou errado, pois são características individuais e cada geração representa uma fatia de contribuição para a história do mundo do trabalho. É indiscutível que cada época tem suas representações correspondentes a cada geração sendo todas muito importantes.

Para entender melhor sobre tais características, será necessário um estudo mais aprofundado relacionado às três gerações, e que não é o foco deste artigo.

Pensando ainda na relação entre funcionário e empresa, algo mais profundo acontece e que foge às observações dos mais detalhistas.

Perceba que este envolvimento cria uma identidade muitas vezes imperceptível, mas as pessoas passam a ser chamadas por uma relação existente com a empresa onde trabalham.

Em algum momento esta identidade é criada pelo próprio funcionário. Por exemplo, um funcionário liga para alguém e se identifica como “fulano da empresa tal”. Neste momento está sendo criada sua identidade sem que ao menos, conscientemente desejasse ou percebesse, por outro lado, esse ser humano possui nome e sobrenome. Diga-se de passagem, é muito agradável ouvir seu próprio nome.

Esta identidade criada dentro da empresa passa a dar referência à pessoa, permitindo uma conexão direta com a empresa onde ele trabalha, ou já trabalhou.

Num sentido figurado, seu sobrenome ou segundo nome passa a ser o nome da empresa. Para alguns, é motivo de orgulho, para outros não, ainda mais se esta relação não foi boa.

Considerando que a saúde mental do trabalhador merece cuidados e respeito, a relação entre patrão e empregado nem sempre é saudável. A relação prazer e sofrimento no trabalho deve ser discutida sempre, pois sem sombra de dúvidas sentir prazer no trabalho é saudável e desprazer é uma das causas de adoecimento.


Grande abraço, e bom trabalho.

OS PROBLEMAS DE GESTÃO ESTÃO EM TODOS OS NÍVEIS

Qualquer pessoa sabe que os funcionários fazem coisas erradas, não é isso? Que o funcionário não fez o procedimento correto, não fechou a porta, não apagou a luz, não viu isso, não viu aquilo entregou o relatório errado e tudo mais, sempre o funcionário.
Mas, qual funcionário?

Normalmente referem-se aos funcionários da área operacional, administrativa, da produção, do escritório, do transporte e por aí vai.

E o gerente, o coordenador, o diretor, o proprietário da empresa, o superintendente, em que momento eles são lembrados? Eles também são funcionários, e por acaso eles não fazem nada de errado, certo? Grande mentira. Esse pessoal faz muita coisa errada, porém não são muito lembrados não é verdade.

Ocorre é que a corda arrebenta sempre do lado mais fraco, certo? Pelo menos na prática é exatamente isso. Entre o gerente, por exemplo, e seu subordinado a corda arrebenta em qual lado mesmo? Será que foi o subordinado quem fez o relatório errado, ou o seu gerente não soube se expressar e pediu errado? Que dúvida cruel, não é mesmo, ainda mais sabendo como as coisas acontecem nas organizações.

Infelizmente a realidade da esmagadora maioria dos funcionários é sempre ser penalizado por algo que fez, ou deixou de fazer.

Entendo que essa grande maioria não está na gerência, direção, em cargos de gestão, e por isso há um pequeno desconto devido a este fato, mas isso não melhora em nada o poder do cargo ocupado somado a falta de responsabilidade em assumir seus erros. Como já é do conhecimento de todos, é mais fácil jogar a responsabilidade para o outro, passar o bastão e pronto.

Errar é humano? Não há dúvidas sobre isso, mas assumir os erros seria algo ainda mais humano, e esse público que está mais acima na hierarquia deveria estar consciente disso.

Claro que existem as exceções, praticamente em todas as situações, mas o poder do cargo ocupado supera todas as expectativas.

Portanto, vale a pena pensar um pouco antes de tomar certas atitudes, principalmente se você for o exemplo da equipe. Então seja um bom exemplo, sirva como um bom líder servidor e conquiste acima de tudo a admiração de sua equipe. 

Leia o livro, Como se Tornar um Líder Servidor e pratique.

Forte abraço.